"Manter o corpo em boa forma é dever de todos. Corpo saudável... Pensamentos Saudáveis."

Crianças acometidas pela enurese noturna


27/02/2016 - 23:00:00 | 398

Compreenda as causas e como pode ser o tratamento

 
Primeiramente é preciso entender sobre a enurese primária, que é a incontinência urinária sem uma causa específica. Trata-se de episódios que ocorrem de maneira discreta durante o sono das crianças com idade maior que 5 anos. As crianças acometidas pelo problema não apresentam quaisquer sintomas de anormalidade no trato urinário e não possuem problemas de disfunção na bexiga.
 
O problema da enurese primária é mais comum de ocorrer entre meninos e estudos apontam que pode ser decorrente de fatores familiares. 
 
E o tratamento?
 
Geralmente são indicadas terapias para a criança e os pais, isso porque a autoestima da criança fica afetada, o que pode ser intensificado se os pais ou pessoas próximas do convívio da criança a tratam com deboches. 
 
É importante que as crianças e familiares sejam esclarecidos sobre o problema da enurese e de que não se trata de “culpa” da criança e sim de um problema de incontinência. 
 
Geralmente as crianças são orientadas à micção regular, principalmente antes do momento de dormir. 
 
As terapias motivacionais podem ajudar na resolução do problema em até seis meses. 
 
Há casos em que podem ser orientadas medicações como é o caso da desmopressina, mas o mais recomendado é seguir a terapia motivacional.
 
Para os pais a principal orientação é não tornar esse problema da criança em um motivo para castigá-la. Falar com outras pessoas sobre esse problema pode trazer à criança constrangimento e sensação de culpa. O importante é conversar, explicar que é normal e principalmente, lembrar a criança de que isso já aconteceu em algum momento na vida de adultos quando foram crianças.
 
Talvez alguma terapia adicional seja orientada dependendo do caso da criança, se envolver uma incidência de pesadelos ou se houver na criança sinal de que algo não é dito por medo - pode ser um caso isolado que mereça uma atenção especial.

O mais importante é que se a criança de uma hora para outra tem feito xixi durante à noite, o episódio deve ser tratado como um problema e não como uma ação que ela poderia ter evitado.