"Manter o corpo em boa forma é dever de todos. Corpo saudável... Pensamentos Saudáveis."

Dieta pode diminuir os sintomas da apneia do sono


04/11/2012 - 23:00:00 | 971

Considerada uma doença comum, a apneia pode ser definida por pausas anormais na respiração durante o sono. É uma interrupção da respiração pela boca ou pelo nariz, por um período maior do que 10 segundos. Por isso pessoas que sofrem da doença se sentem cansadas mesmo após dormir uma noite inteira.

Trata-se de uma doença crônica e progressiva, podendo causar repercussões neurológicas e comportamentais.
    
Sintomas – Quem sofre com a apneia pode ter as seguintes sensações durante o noite ou ao despertar: sensação de sufocamento, falta de ar, boca seca ou dor de garganta. dor no peito ou desconforto. dor de cabeça, confusão mensal. problemas de memória; dificuldade de concentração e impotência sexual.

Pesquisas – Entre 60% a 70% das pessoas que sofrem da doença estão acima do peso ou são obesas. Estudos mostraram que a adoção de uma dieta baixa em calorias pode beneficiar os portadores da doença. A apneia pode aumentar a probabilidade de sofrer acidentes, pode ocasionar uma drástica  piora da qualidade de vida e  consequentemente o aumento de mortes prematuras, segundo estudos conduzidos recentemente. Uma das pesquisas consistiu em acompanhar 63 pacientes, durante um ano com idades entre 30 e 65 anos. Desses 63 pacientes, 58 seguiram uma dieta específica, baixa em calorias, incluindo alimentos saudáveis, prática de exercícios e informações sobre nutrição. Os participantes perderam peso em nove semanas e conseguiram manter esse peso estável ao longo de um ano, e passaram a perceber efeitos positivos nos sintomas da apneia. Os especialistas também puderam comprovar que quanto maior a perda de peso, maior era a diminuição dos sintomas da apneia.  

Em 2010, pesquisadores do Instituto do Coração (Incor-USP) propuseram que a apneia do sono fosse considerada mais um componente da síndrome metabólica, que é uma condição associada a um risco elevado de doenças cardiovasculares.

Por: AgComunicado