"Manter o corpo em boa forma é dever de todos. Corpo saudável... Pensamentos Saudáveis."

Gordura localizada também é prejudicial à saúde


04/11/2012 - 23:00:00 | 762

Prevenir o ganho excessivo de peso, seja por meio de dietas ou atividades físicas, não se limita  apenas a uma questão estética. O sobrepeso, como todos sabem, está ligado diversas doenças crônicas.

Ao falarmos em ganho de peso, a primeira imagem que nos remete à mente é a de pessoas obesas, porém, até mesmo as gordurinhas localizadas podem ser prejudiciais a saúde.  

O sobrepeso pode ser definido como um aumento do depósito de gordura nas células adiposas, que tende a provocar doenças crônicas como a diabetes tipo 2, a hipertensão arterial, doenças na fígado e na vesícula, câncer de mama, dentre outros.

Esse aumento acontece quando a gordura concentrada no abdômen é metabolizada em formas e níveis diferentes aos dos glúteos e pernas.  A gordura acumulada no abdômen estimula o fluxo de ácidos graxos livres, triglicerídeos e colesterol para o coração, redobrando, dessa forma,  as chances de entupimento de veias e artérias.

A localização e distribuição da gordural corporal é classificada como androide ou ginecoide. A androide, mais comum em homens, é popularmente conhecida como o “corpo forma de maçã”. A gordura é acumulada ao redor da cintura e abdômen superior. Enquanto na ginecoide, ou “corpo forma de pera”, a gordura fica localizada ao redor das coxas e das nádegas.

Mulheres após a menopausa têm maior predisposição ao acumulo de gordura na região abdominal ou visceral e por este motivo, as chances de desenvolver problemas cardiovasculares é maior.

E como identificar se a gordurinha localizada é um risco para saúde?

A maneira mais eficaz de determinar o risco cardíaco em relação à gordura localizada é a medindo a circunferência abdominal.

Para não haver equívocos nas medidas, procure um médico endocrinologista. Ele irá avaliar por meio das  medidas da circunferência da cintura, dividas (matematicamente) pelas medidas do quadril, se existe ou não o risco.

No casos considerados de risco, o paciente é encaminhado para um nutricionista e deverá seguir alguma dieta, de preferência, acompanhada por exercícios físicos.

Por: AgComunicado