"Manter o corpo em boa forma é dever de todos. Corpo saudável... Pensamentos Saudáveis."

Verdadeiros afrodisíacos: ginseng, açafrão e ioimbina


04/11/2012 - 23:00:00 | 1882

 

Compostos naturais podem realmente ter efeitos afrodisíacos e melhorar a vida sexual. O maior levantamento científico já feito comprova a ação do ginseng, do açafrão e da ioimbina, uma substância extraída de árvores africanas. O levantamento foi feito por pesquisadores do Departamento de Ciência Alimentar da Universidade de Guelph, no Canadá, e comprova que estes compostos têm de fato grande utilidade para apimentar as relações sexuais e melhorar o desejo, o desempenho e a satisfação de quem os consome.

  
Os três alimentos tiveram seus efeitos fisiológicos e psicológicos confirmados na análise mais detalhada já feita sobre o tema. Os cientistas examinaram centenas de estudos sobre afrodisíacos naturais e perceberam que o açafrão, o ginseng e a ioimbina atuam no relaxamento do músculo liso do corpo cavernoso, melhorando a ereção tanto em homens como em animais. Entre as mulheres, os efeitos são psicológicos: a libido aumenta, com a elevação do desejo e da satisfação. A casca de uma árvore da Amazônia, a marapuama, também se revelou capaz de aumentar a libido, embora não tenha tido efeitos fisiológicos comprovados. 
 
As razões para os efeitos psicológicos ainda são desconhecidas. O coordenador do estudo, professor Massimo Marcone, que trabalhou ao lado do aluno de mestrado John Melnyk. afirmou que prosseguirá com a pesquisa numa fase posterior.  
 
O resultado pode indicar caminhos mais naturais para o tratamento de disfunção sexual em homens, hoje controlado basicamente com alopatia, por meio de substâncias como sildenafil, princípio ativo do Viagra, e tadalafil, do Cialis, famosos mantenedores da ereção. Entre os efeitos colaterais desses remédios estão dores de cabeça, rinite, alteração da percepção ótica e dores musculares. No entanto, a confirmação da eficácia dos afrodisíacos naturais não deve ser interpretada como um aval para o uso indiscriminado, alertam os especialistas.

Autor:  Agência Comunicado

Fonte:  O Globo