"Manter o corpo em boa forma é dever de todos. Corpo saudável... Pensamentos Saudáveis."

Lichia é boa para pele e eficaz no emagrecimento


04/11/2012 - 23:00:00 | 973

O verão está chegando! É uma boa época para apreciar a lichia, fruta que apesar de nutritiva e saborosa, não é muito conhecida pelos brasileiros. A safra dessa fruta tropical tem início entre outubro e novembro e dura até o fim de janeiro.

A aparência da lichia é pouco convencional se comparada às frutas mais populares do país. Ela é menor que a ameixa e possui uma casca grossa de coloração avermelhada que deve ser retirada antes de comer. Possui um sabor adocicado e é mais recomendada em sua forma natural. Além de saborosa, a lichia é uma das frutas com menor índice calórico. Possui cerca de 66 calorias a cada 100 gramas e bastante água, com baixa quantidade de gordura. É uma boa pedida para quem quer emagrecer.

Cada 100 gramas de lichia (entre 8 e 15 unidades) possuem cerca de 50 mg de vitamina C, o que a torna eficaz na prevenção de gripes e resfriados. Também ajuda a regular a taxa de colesterol no sangue. Em sua composição encontramos o potássio, responsável pelo equilíbrio de água no organismo e antioxidantes que combatem o câncer e problemas cardíacos. Graças à essas propriedades, a lichia também é encontrada  – e bastante utilizada – em cosméticos, uma vez que sua ação antioxidante proporciona boa saúde da pele e combate o envelhecimento precoce.

A cianidina, substância responsável pela pigmentação da casca e presente na polpa, ajuda na absorção de gorduras no organismo. Mas fique atento à alimentação! A lichia pode proporcionar o bom emagrecimento em dietas equilibradas, com alimentos balanceados. Não exagere. Fazer exercícios físicos como caminhadas, yoga ou pilates pode ajudar e melhorar os resultados do emagrecimento.

De origem chinesa, a lichia ainda pode ser considerada uma novidade no Brasil. Chegou ao país há cerca de seis anos, em regiões do interior de São Paulo e Minas Gerais, onde é conhecida. Antes, era encontrada apenas entre os produtos importados, mas hoje já é facilmente encontrada em feiras e supermercados.

Pessoas com disfunções renais devem optar pelo consumo moderado e, em alguns casos, buscar orientação médica.


Por: AgComunicado