"Manter o corpo em boa forma é dever de todos. Corpo saudável... Pensamentos Saudáveis."

O chocolate causa espinhas?


30/09/2013 - 23:00:00 | 599
 
Dizer às crianças que elas vão ter espinhas é uma forma de incentivá-las a evitar o chocolate - mas é verdade ou isso é um mito? Seria mais correto dizer que é uma questão de debate científico. Vários fatores contribuem para a prevalência de acne - doença da pele caracterizada por manchas ou espinhas - incluindo histórico familiar, idade e níveis possivelmente de estresse. 
 
 
Até os anos 1960, a visão de que o chocolate exacerbava o problema da acne foi amplamente difundida na comunidade científica. Pensava-se que quem sofria de acne tinha uma tolerância prejudicada de glicose, o açúcar que nossos corpos convertem em carboidratos para distribuição na corrente sanguínea. 
 
 
Livros populares dos anos 1940 e 1950 aconselhavam as pessoas contra os alimentos açucarados e as bebidas açucaradas – incluindo o chocolate - como parte do tratamento da acne. Mas em 1969 estudo muito influente realizado por JE Fulton, e seus colegas - G Plewig e AM Klingman - parecia derrubar qualquer associação entre o chocolate e a acne.Avène Diacnéal 30ml é recomendado para pessoas com tendência a ter uma pele acnêica moderada à leve em adolescentes e crianças. 
 
 
Os pesquisadores levaram 65 participantes com acne leve a moderada e dividiram eles em dois grupos. Um grupo recebeu uma barra de chocolate enriquecida com 10 vezes a quantidade normal de cacau. Ao outro grupo foi dada uma barra placebo (sem o cacau adicional). Os grupos foram instruídos a comer as barras todos os dias durante um mês.
 
 
Depois de uma pausa de três semanas, os dois grupos mudaram o consumo. Os pesquisadores, que examinaram os pacientes semanais, decidiram e concluíram que o chocolate não teve efeito sobre o desenvolvimento da acne dos participantes. Este estudo teve um grande impacto, e foi citado dezenas de vezes em outros artigos. Mas recentemente, ele foi bastante criticado.
 
 
"Este estudo, a meu ver, não é válido", diz Amy Brown, professora associada da Universidade do Havaí em Manoa, uma dos sete signatários de uma carta de 2011 criticando o estudo Fulton, impresso na revista Clínica em Dermatologia. "O primeiro problema é que isso só foi possível através da associação dos Estados Unidos da América dos fabricantes de chocolate - que é o número um", diz ela.
 
 
Ela também lista uma série de problemas metodológicos. Por exemplo, ela diz que os exames semanais poderiam ter perdido as reações cutâneas que ocorreram no meio da semana. E no final do estudo, ao verificar o estado da pele dos participantes, só foi constatado como prova se a pele estava 30% melhor ou pior, assim uma deterioração de 29% na acne de um participante não teria sido anotada.